terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Um jantar e uma surpresa



Depois de uma maratona de quatro jogos de futebol americano no sábado e no domingo, nada como voltar nossas atenções ao cinema, com a cerimônia do Globo de Ouro. Por conta da emocionante batalha em Pittsburgh não pude acompanhar a chegada dos artistas no tapete vermelho (que muitos acham mais interessante que a própria festa), mas soube que Brad Pitt e Angelina Jolie ignoraram Ryan Secrest quando ele tentava entrevistá-los. Uma hora isso tinha que acontecer. Para quem não sabe, o E! é uma espécie de TV Fama 24 horas por dia nos Estados Unidos. E Ryan, que entre outras coisas comanda o American Idol, apresenta o principal "jornal" da rede. É como se o Nelson Rubens estivesse com o microfone na mão na entrega de um importante prêmio e tentasse entrevistar a Luana Piovanni e o Dado Dolabella (pois é, cada um tem o apresentador e as celebridades que merecem). Mas, esse não foi o maior incidente da noite.


Do lado de dentro, já na festa, em determinado momento entra Sacha Baron Cohen para apresentar o prêmio de melhor filme de comédia ou musical. O intérprete de Borat - O Segundo Repórter mais Importante do Glorioso País Casaquistão Visita a América lança no final do semestre um filme com outro personagem seu, Bruno (na foto o ator caracterizado com esse personagem). O mais legal é que Sacha conseguiu colocar um nome ainda maior no próximo filme. Ele se chamará Bruno - A Deliciosa Jornada Através da América com o Propósito de Mostrar Homens Heterossexuais Desconfortáveis na Presença de um Estrangeiro Gay de Camiseta de Malha. Eu estou traduzindo o título do original, no Brasil (quando o filme será lançado dia 31 de Julho) ainda não foi confirmado o nome. Eu já estou com medo do título do décimo filme escrito por ele. Pois bem, mas a polêmica toda não foi essa. Sacha foi descobrir ao vivo e em rede nacional que os americanos não estão achando graça de piadas envolvendo crise econômica. Além disso, Sacha alfinetou algumas celebridades que não estavam presentes mas que são muito queridas. Veja o que ele falou:

"Foi um ano maravilhoso para os filmes, incluindo, é claro, O Curioso Caso de Benjamim Button, a história de um homem cujo rosto fica mais jovem quando ele fica mais velho. Uh, é como a maioria das pessoas nessa sala"
, percebam que o comediante começou mal. Você pode sacanear pessoas que estão no ambiente, mas não começar seu discurso pegando no pé da maioria das pessoas que estão te vendo. Isso deveria ser a regra número um do stand-up comedy. A ideia dele era fazer graça para o público em casa, mas ele não pode ignorar quem está presente na cerimônia. Na sequência ele diz:

"É dito que em tempos de crise econômica, as pessoas vão ao cinema para assistir filmes absurdos, bobos e escapistas, o que é bom, pois eu tenho um filme assim para lançar"
. Foi mais um erro. A intenção dele, que era brincar com o próprio filme, foi deixada para o final. Antes disso ele citou a crise econômica e falou que era algo bom! Logo depos ele fala:

"A crise afeta todos, até as celebridades. Victoria Beckham não come há três semanas. Charlie Sheen teve que fazer sexo sem pagar por isso. E até a Madonna teve que dispensar um de seus assistentes empregados... Sentimos por você, Guy Ritchie"
. Pois é, a ex-Spice Girl a gente deixa de lado, mas Charlie Sheen é um dos atores mais queridos da TV atualmente. Já quanto a Madonna, não tinha problema em falar mal dela, só que Guy Ritchie é um diretor bem relacionado em Hollywood (amigo de Brad Pitt, que estava em uma das primeiras cadeiras). Eu já falei mal do Guy Ritchie na lista dos vinte filmes que mais me desapontaram em 2008. Mas não faria isso na frente dos principais homens e mulheres de Hollywood. Isso coroou com chave de ouro o infeliz discurso do ator, que queimou o próprio filme bonito.

Mas o que interessa mesmo são os prêmios, não é mesmo? Vamos começar com as séries, pois não tenho tido muito contato com os indicados então meus comentários serão breves:

Séries de drama
* Série: Mad Men
* Ator: Gabriel Byrne - In Treatment
* Atriz: Anna Paquin - True Blood (foto acima)
Aqui é onde saiu um pouco do óbvio. Eu estava esperando esse sábado para colocar True Blood na lista dos programas que o blog vê (estreia próximo domingo à noite na HBO) e fiquei surpreso e animado com esse prêmio para Anna Paquin. Sinal que a série mereceu ser lembrada (dizem que a história é bem parecida com Crepúsculo, só que com menos romance e mais terror), mas acho difícil ser melhor que Buffy, que sempre saía desses prêmios de mãos vazias. Já quanto a Mad Men, nem o criador da série garantiu uma terceira temporada. Público e crítica não vem se entendo no que diz respeito a séries de TV.


Séries de comédia
* Série: 30 Rock
* Ator: Alec Baldwin - 3o Rock
* Atriz - Tina Fey - 30 Rock
Deu o óbvio ululante, como dizia Nelson Rodrigues. Eu sempre digo que vou assistir 30 Rock, mas toda semana eu esqueço. E a maoiria da audiência dos Estados Unidos também, já que a série não engrena.


Minissérie ou filme para TV
* Minissérie ou filme: John Adams
* Ator: Paul Giammati - John Adams (na foto acima como o personagem)
* Atriz: Laura Linney - John Adams
John Adams parece ser tão bom que vou assistir com calma um dia e reservar um post para falar dela. Até porque depois dessa moral que o Emmy e o Globo de Ouro deram, se não for boa eu reservo só para meter o pau.

E valendo para todas acima:
* Ator Coadjuvante: Tom Wilkinson - John Adams
* Atriz Coadjuvante: Laura Dern - Recontagem

Dito isso, vamos para os filmes:


Comédia ou Musical

* Filme: Vicky Cristina Barcelona - Está na pequena "lista da vergonha" com os grandes filmes de 2008 que ainda não assisti. Mas escuto falar bem dele. Mesmo com esse prêmio, dificilmente estará entre os cinco melhores do Oscar. Mas a Academia deve fazer menção a alguém e esse Globo de Ouro aumenta as chances de Woody Allen (que nunca vai) concorrer como roteirista, como aconteceu com Match Point.
* Ator: Colin Farrell (Na Mira do Chefe) - Mais um da lista da vergonha. Mas assumo aqui um compromisso de que na quinta, no máximo na sexta-feira, esse e Vicky Cristina Barcelona serão vistos e comentados aqui no blog. Não chegou a ser uma surpresa esse prêmio, já que pelos indicados a eleição estava bem aberta. E tem até lógica sobrarem votos para Colin Farrell e explico porque. Javier Bardem foi mais que premiado ano passado com Onde os Fracos Não Têm Vez e muitos devem ter achado exagero dar dois prêmios importantes para o filme de Woody Allen. O mesmo ocorre com os irmãos Coen, já que Queime Depois de Ler dividiu opiniões e não chega aos pés do filme anterior deles. James Franco fez um filme que nem todos devem ter assistido (Segurando as Pontas) e Dustin Hoffman (Last Chance Harvey) tem incontáveis prêmios ao longo da carreira. Sobrou os dois atores de Na Mira do Chefe. Sobrou para o veterano Brendan Gleeson, que não tem a mesma popularidade de Farrell.
* Atriz: Sally Hawkins (Simplesmente Feliz) (na foto acima) - Quem leu o blog sexta-feira sabia que ela era favorita (e riu de quem falou "Sally quem?"). É o caminho que eu descrevi no outro post: apenas os críticos de Nova York e Los Angeles votaram em peso nela, mais críticos viram o filme, levando Sally a vencer o Globo de Ouro. Para mim fará o mesmo que Marion Coutilard fez ano passado com Piaf e correrá por fora.


Drama
* Filme: Slumdog Millionaire - O queridinho da crítica, responsável pela integração entre Hollywood e seu primo-nem-tão-pobre-assim Bollywood, a indústria cinematográfica indiana. Esse pensamento global da Academia nos últimos anos (Cidade de Deus teve quatro indicações e dizem que foi referência para o diretor Danny Boyle em Slumdog Millionaire) se encaixa perfeitamente com o filme, cada vez com mais força. O bom desse filme aparecer é que aparecerá material para que pessoas que gostam de cinema conheçam as produções da Índia, que tem a maior indústria da sétima arte fora dos Estados Undios. Mesmo assim eu nunca vi um filme daquele país. Anota aí: mais um post, agora falando sobre cinema indiano.
* Ator: Mickey Rourke (O Lutador) (na foto interpretando o personagem-título) - Na hora pensei até que era surpresa Sean Penn não ter ganho. Mas é um pouco de exagero, já que Rourke esteve entre os melhores em Veneza e foi reconhecido por algumas associações de críticos. A história do ser humano que dá a volta por cima gosta de emocionar a Academia e talvez Rourke passe a ter chance com esse Globo de Ouro. Mas Penn deve ser preocupar, porque talvez a interpretação do seu concorrente seja realmente melhor que a dele. É a minha suspeita.
* Atriz: Kate Winslet (Foi Apenas um Sonho) - Essa, para mim, é a surpresa do título do tópico. Eu nem citei isso no post de sexta-feira, mas no início da semana criou-se uma polêmica pois o site oficial do Globo de Ouro divulgou que Anne Hathaway tinha vencido esse prêmio. Eles falaram que ocorreu um erro e não uma antecipação. Para quem gosta de uma teoria da conspiração, eu bolei uma: Hathaway era favorita mesmo, alguém errou (preparou uma reportagem e jogou no ar, fez uma brincadeira ou até mesmo invadiu o site) e, para evitar maiores confusões e colocasse em xeque a premiação, deram para a segunda colocada. Já pensou se levantam a hipótese de que os envelopes são abertos com tal antecedência? Eu inventei essa teoria, mas não acredito nela. Para mim Hathaway, como eu suspeito, participou de um filme denso demais e os críticos aproveitaram a oportunidade de não ter nenhuma interpretação de abalar as estruturas (como foi com Helen Mirren em A Rainha há dois anos atrás) e resolveu fazer justiça com a pobre Kate, que era pra ganhar prêmios desde Titanic (ela e Leonardo di Caprio). Só que exageraram na dose e ela ganhou dois. Para mim teve muito crítico votando nela duas vezes "só pra garantir".


Valendo para todos os filmes:
* Diretor: Danny Boyle (Slumdog Millionaire) - A impressão que dá é que sacrificarão o pobre David Fincher e Danny Boyle será o grande vencedor daqui há um mês no Oscar. A reação do elenco ao seu prêmio mostrou como está a torcida por ele, que merecia ser reconhecido desde Trainspotting.
* Ator Coadjuvante: Heath Ledger (Batman - O Cavaleiro das Trevas) - Mais uma categoria que parece que fechou a conta. Nem James Dean ganhou Oscar depois de morto, mas parece que isso vai acontecer pela primeira vez. Eu tenho uma opinião contrária. Para mim a Academia tinha que recorrer à algo que ela utilizava anos atrás, quando queria premiar algo "diferente" das categorias pré-estabelecidas. Exemplos: em 1938, por conta do lançamento de Branca de Neve e os Sete Anões, eles deram um reconhecimento especial pelo filme, já que era um pouco sem sentido indicar a produção (que era sem dúvida uma das melhores daquele ano e um clássico absoluto do cinema) para melhor filme do ano. Foi até simpático, porque deram uma estatueta de tamanho normal e sete pequenas. Shirley Temple, quando explodiu nos cinemas, tinha seis anos de idade e era sem sentido indicá-la como melhor atriz, ao lado de Elizabeth Taylor, Bette Davis, Judy Garland e outras estrelas. Mais uma vez a Academia deu um reconhecimento à parte. E o mesmo já aconteceu na época em que efeitos sonoros ou efeitos especiais não possuíam uma categoria. Ainda tenho esperança de que é isso que farão com Heath Ledger. Eu sei que pode parecer insensível ou coisa assim, mas eu faria dessa maneira.
* Atriz Coadjuvante: Kate Winslet (O Leitor) (na foto abaixo) - Foi na verdade o primeiro que ela venceu. Aliás, como ficou nervosa a menina, não? Se tremia toda, pegou um papel gigante pra ler, colocou o troféu no chão. Quando ela ganhou a segunda vez ficou uns dois minutos falando "oh, my God, oh, my God!". Como já passava de uma da manhã, eu nem sei o que o vizinho pensou que eu estava assistindo. Brincadeiras à parte, acho que é mais uma categoria fechada pro Oscar. Kate vai seguir o mesmo caminho de Renée Zelwegger que remou, remou, foi indicado por O Diário de Bridget Jones, Chicago, mas só venceu como coadjuvante por Cold Mountain. Penélope Cruz, que ano retrasado me surpreendeu em Volver (eu nunca pensei que ia ver, mas um dia eu disse "volver" - e gostei) não parece ter força para tirar esse prêmio da inglesa.



* Roteiro: Slumdog Millionaire - Quando já está ganhando até roteiro, é porque já pode começar a pedir a conta e fechar a régua. Eu apostaria nele para a categoria orginal (no Oscar é dividido) e para O Curioso Caso de Benjamim Button como adaptado (porque esse filme tem que ganhar alguma coisa - em maquiagem parece que é favorito).
* Canção: O Lutador - Bruce Spingsteen começou com tudo em 2009. Vai cantar no Super Bowl, venceu o Globo de Ouro e pode tirar um prêmio quase certo de Wall*E no Oscar.
* Trilha Sonora: Slumdog Millionaire - Olha o vira-lata aí! Só posso citar porque trilha a gente só vai saber assistindo os filmes e todos que concorriam são inéditos no Brasil.
* Filme Estrangeiro: Valsa com Bashir - É o favorito mesmo da crítica e deve ser muito bom. Seria de bom grado ver uma animação vencendo o Oscar estrangeiro. Mas, esse filme é realmente uma animação? Captura de performance se encaixa em qual estilo? Assunto para posts futuros (senão não saio daqui hoje).
* Animação: Wall*E - Parabéns ao robô que bateu o cachorro e o panda. Essa categoria não precisavam nem anunciar, até o Stevie Wonder viu que Wall*E é infinitamente melhor que seus outros concorrentes.
* Cecil B. de Mille: Steven Spielberg (na foto abaixo) - O prêmio especial pelo conjunto da obra foi emocionante, com belas palavras do diretor sobre o próprio Cecil, que dá nome ao prêmio (Spielberg contou como O Maior Espetáculo da Terra foi fundamental para que ele virasse diretor de cinema). Martin Scorsece entregou ao amigo essa merecida homenagem.


Ainda sobre a corrida do Oscar, outra novidade foi o anúncio dos indicados para os prêmios dos Sindicatos dos Diretores e dos Produtores. O primeiro é um excelente indicativo de quem vai ganhar o Oscar na segunda categoria mais importante. Se Danny Boyle vencer aqui, fica muito difícil baterem ele. O britânico concorrerá com Ron Howard (Frost/Nixon), David Fincher (O Curioso Caso de Benjamim Button), Gus Van Sant (Milk - A Voz da Igualdade) e Christopher Nolan (Batman - O Cavaleiro das Trevas), que é uma surpresa, já que esperavam Clint Eastwood ou Sam Mendes em seu lugar. Pode ser um indicativo de queBatman pode receber mais indicações do que o esperado. Já pelos produtores o mesmo Cavaleiro das Trevas lidera as indicações ao lado de O Curioso Caso de Benjamim Button. Como melhor filme, além dos dois, estão Frost/Nixon, Slumdog Millionaire e Milk - A Voz da Igualdade, ou seja, os mesmo cinco nos dois prêmios. Portanto, fique de olho nesses.


Um comentário:

Vandeco disse...

Cara...

JJ, tu é o cara. Esse review do Globo de Ouro ficou excelente... To na espectativa das estréias agora também.

Abração!